O lado abraçante de Trindade

O mar azul em um dia de sol. A espuma que chega do mar à areia é branca e limpa. Uma parte de um monte está como que lançado ao mar e revestido de uma vibrante e verde vegetação.

Praia de Fora, um exemplo claro de um abraço de uma praia. ;-)

Pensando e me lembrando de Trindade agora, tenho a inevitável necessidade de expressar minha sensação ao estar em algumas de suas exuberantes praias. Não se trata de empregar, simplesmente, adjetivos que qualificariam sua aparência. Trindade nos presenteia com redutos de pura paz, vida e aconchego. Eu me sinto abraçada lá. Em um outro post, comentei que as praias de Formentera, na Espanha, são lindas e paradisíacas, mas que não têm esse abraço a que me refiro.

É óbvio que não sou a maior conhecedora de praias do mundo, mas tive o privilégio de estar em algumas realmente belas. E as praias que conheço do Estado do Rio de Janeiro (infelizmente nunca estive em praias de outros estados do Brasil) têm essa capacidade de abraçar uma pessoa. Acreditem!

O mar, algumas rochas que despontam através de sua superfície e um pássaro repousando em uma delas.

Paisagens nada monótonas. Rochas atravessam a superfície do mar.

O que acontece é que a vegetação é realmente deslumbrante. Variedade imensa de folhas, verde vivo, montes e morros ao redor e orlas voluptuosamente recortadas são os fatores que fazem dessas praias um conjunto perfeito de elementos. Ou seja, não é só a água que é bonita e azul. O que está em volta é também um espetáculo.

Este bairro do município de Paraty oferece beleza natural e acolhimento por parte dos habitantes da vila de pescadores, que tiram seu sustento da pesca. São os chamados caiçaras. Atividades derivadas da praia também são exercidas pela população local, como artesanato, comércio e ecoturismo. O trato com os turistas é bastante agradável, de uma maneira simpática e familiar.

O mar bem azul, a espuma bem branca, um monte coberto por uma vegetação verde e vibrante.

Natureza por todos os lados. Praia de Fora.

Uma parede alaranjada com algumas partes descascadas, umas cadeiras vermelhas de pástico empilhadas, umas caixas de cerveja, uma porta por onde se vê umas mesas e cadeiras com um guarda-sol e o mar.

Uma entrada para o paraíso! E para o restaurante também.

Eu já conhecia Trindade de uns anos atrás, quando fui a Paraty pela primeira vez. Tinha na lembrança a beleza e o bem-estar que se sentia ao estar rodeada por toda a natureza reinante. E Trindade não decepcionou. Continua sendo um lugar lindo e cheio de vida.

São oito as praias dali. Infelizmente o tempo foi curto e tive oportunidade apenas de visitar três delas. A primeira foi a Praia do Cepilho, onde tomei um bom drink não alcoólico (também vendem com álcool, mas não estava com vontade) enquanto admirava a paisagem me balançando em uma das redes do Bar que recebe o mesmo nome da praia. Sim, o bar tem mesas e cadeiras, mas também dispõe de redes. Uma delícia!

Já o almoço foi na Praia de Fora, em um restaurante com garçonetes e cozinheira bastante gentis. Pedi lula recheada com queijo e o prato, além de matar a fome, agradou muito o sentido da visão.

Depois de comer, a intenção era ir à Praia do Cachadaço, onde eu pretendia me banhar nas suas piscinas naturais. Mas, infelizmente, não sobrou tempo. Para se chegar até lá, faz-se uma trilha um tanto quanto comprida. E como era inverno e os dias mais curtos do que o normal, foi mais prudente ir só até a Praia do Meio. Caso contrário, teria certamente um perrengue para contar sobre essa trilha feita no escuro. Ei! Até que não seria mau! Estou brincando. Nunca vou atrás de perrengues. Se conto alguns deles aqui no blog é porque eles é que foram atrás de mim. Esta é a lei.

E assim terminou o agradável dia em Trindade.

E pensar que, na década de 70, uma empresa multinacional pressionou os caiçaras para que deixassem o lugar que seria, então, cenário para construção de um condomínio de luxo. Se não fosse a capacidade de mobilização do povo de Trindade, a bela paisagem natural estaria modificada de um modo que seu acesso estaria permitido somente àqueles com alto poder aquisitivo. Nada contra quem é rico. Principalmente porque, quem é rico ou rica pode ir tranquilamente a Trindade do mesmo jeito. Ou vão me dizer que não?

Que Trindade continue abraçando a todos nós!

Um telhado com um vão onde está escondido um gato preto e branco. Também se vê uma antena da Sky.

Encontre o sapo. Não? Então encontre o gato.

Inúmeros bananeiras na Praia do Cepilho.

Inúmeros bananeiras na Praia do Cepilho.

O mar, bem azul, muitas ondas, montanhas ao fundo que, por estarem longe, se vêem azuladas, "esculturas" feitas pela erosão perto do mar, eu posando e molhando os pés no mar.

Praia do Cepilho e suas estruturas naturais de rochas.

As "esculturas" vistas na foto anterior agora estão mais à esquerda no enquadramento e então se vê um bar ao lado direito, na areia.

Ó o Bar do Cepilho ali!

O mar e muita espuma bem limpa.

Limpeza, pureza, beleza. Praia do Cepilho.

Vê-se a parte mais interna da praia. Um pequeno morro com muita vegetação de árvores bem verdes e muitas pedras ao lado, mais para perto do mar. E areia bem clara e fina.

Uma salva de palmas às árvores! Adoro árvores em praias. Praia do Cepilho.

Pegadas de pássaros na areia.

Elementar. Gaivotas e humanos passaram por aqui, na Praia do Meio.

Praia do Meio já com pouca luz do dia. Vê-se o mar, mais acinzentado, pedras pelo mar e um monte com vegetação, mas não vibrante devido ao horário e a consequente falta de luz solar. Também se vê uma espécie de neblina, gotículas do mar sendo trazidas pela brisa.

Praia do Meio já no final do dia.

Praia já ao anoitecer. Muitas pedras perto do mar e duas pessoas no alto de uma das pedras.

Um extremo da Praia do Meio. :)

 

Se quiser ler mais sobre Trindade:

Portal de Trindade

Leia também:

:: o lado PARADISÍACO de FORMENTERA ::

:: Formentera em movimento ::

:: o lado CURIOSO de PARATY ::

Gostou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *