O lado espetacular de um chá

Foto de uma taça transparente com a flor de chá desabrochada dentro. Ao fundo, um sanduíche tipo bagel.

Um espetáculo diante dos meus olhos.

Entrei em uma cafeteria em uma manhã de segunda-feira, em Nottingham, para tomar o meu café-da-manhã. Aliás, seria uma casa de chás? Não sei. Só sei que o lugar estava repleto de delícias para a primeira refeição do dia. Havia croissants e bagels com variados recheios, brownies nas mais diversificadas nuances de chocolates e complementos, uma tortinha de granola que estava uma delícia, muffins de todos os sabores. E, para beber… Bem, para beber, eu ia pedir um Earl Grey, chá preto com toque de bergamota que é um clássico no mundo dos chás e eu adoro.

Mas um desenho em um quadro negro ali me chamou a atenção. Era uma tacinha com uma flor dentro, no fundo. Ao lado, estava escrito, também com giz, Flora Tea. E, em seguida, uma pequena listinha com nomes. Um deles era Lily Fairy, o meu escolhido.

Eu segurando a taça com a flor já desabrochada.

Tcharaaaaám! Lily Fairy linda e laranja dentro da taça de vidro.

Quando chegou a minha vez de fazer o pedido, eu disse que queria a torta de granola e o chá Lily Fairy. A moça que me atendeu disse: “Mas, veja bem, Lily Fairy é isto aqui. Um chá com uma flor dentro.” E eu pensei: “Jura?! Não deu para perceber pelo desenho.” Engraçado ela ter dado ênfase em me explicar o que já estava claríssimo. Enfim, disse a ela que era isso mesmo que eu queria e fui para a mesa esperar o pedido.

Eu já havia ouvido falar sobre esse tipo de chá. E acho também que já havia visto esse chá de flores em algum filme, mas não me lembro qual.

Depois de alguns minutos, chegou uma garçonete com uma taça de vidro impecavelmente transparente. Na base, estava escrito Flora tea, a marca do chá. A moça colocou uma bolinha verde de mais ou menos 2,5 cm de diâmetro dentro. Pensei: “Ah, é o botão da flor.” E começou a jogar água quente dentro da taça até quase que enchê-la.

E aconteceu o esperado: o botãozinho começou a abrir e bolhas de ar saíam do seu interior. Pequenas “estrelinhas” de flor igualmente subiam à tona. E, com o passar do tempo, o botão se abria mais e mais, revelando uma belíssima flor de cor laranja. Um espetáculo para a visão. Aguardei um pouco mais e comecei a tomá-lo. De sabor bastante delicado, porém um tanto familiar, o chá me pareceu proporcionar mais prazer visual do que gustativo. O que está ótimo também.

Eu ia tirar uma fotografia, mas eu não contava que a flor iria se abrir tão rápido! Resultado: decidi, às pressas, fazer um vídeo para registrar o processo de desabrochar e não girei o celular. Agora temos duas barras laterais horrorosas. Mas vale o conteúdo.

Fiquei intrigada, porém, com o nome. Flora tea. Ok, é a marca do produto. Mas, “tea”?! Tea significa chá. E chá é toda infusão feita com folhas de Camelia sinensis, que eu saiba. Quando a infusão é de outras folhas, o nome dado é simplesmente infusão. Camomila, capim-limão, erva-doce… Todas são infusões. E chá sabor frutas vermelhas? Pode contar que é Camelia sinensis com frutas vermelhas secas. Sempre que a palavra chá está presente, a Camelia sinensis tem que estar lá. Se não, é propaganda enganosa. Claro que no Brasil, popularmente, chamamos tudo de chá. Mas, os ingleses chamarem também? Não é muito comum.

Tomei o meu Flora tea e deixei essas indagações dento da minha cabeça mesmo.

No entanto, já em casa, fui procurar informações sobre a origem desse chá de flores. E descobri algo fantástico! Bom, pelo menos, para mim. Pois bem. O que eu pensava ser um “chá” ou infusão de flores, na verdade, é uma flor de chá! Não é incrível? Explico.

O produto é, de fato, um chá. Sim! Há folhas de Camelia sinensis ali. “Mas, onde?”, vocês me perguntarão. Tcham tcham tcham tchaaaaaam! No “botão” da flor. Sim, o “botão”, além de ser entre aspas porque não é botão coisa nenhuma, é um conjunto de folhas de Camelia sinensis costuradas — eu disse costuradas — a mão. E, dentro dessa, digamos, bolsinha de Camelia costurada, é colocada uma flor. As folhas de Camelia, pelo que li, são perfumadas com flores de jasmim, antes de serem costuradas. Depois de costuradas e, ainda úmidas, são moldadas em forma de bolinha ou cogumelos ou qualquer outra forma que se queira dar. A minha era uma bolinha. O processo de secagem define as formas e temos, assim, uma linda flor de chá.

São verdadeiras obras de arte. Vi vídeos no YouTube que mostram a mesma Lily Fairy que tomei se revelando de forma diferente. Como é um produto artesanal, a flor que sairá da bolsinha de Camelia é sempre uma surpresa. Eu, que já havia ficado encantada com essa maravilha, passei a gostar mais ainda, depois de saber desses “pequenos” detalhes.

:: :: ::

Eu tomei esse esplêndido chá aqui, no 200degrees, em Nottingham.

E descobri que esse “chá de flor” na verdade é uma “flor de chá” aqui, no site Casa de Chá.

Se quiserem ver mais obrinhas de arte como esta, visitem o site da Flora tea.

Gostou?

2 ideias sobre “o lado ESPETACULAR de UM CHÁ

  1. Maria Cidalia de Figueiredo Rivas

    Sem palavras! Não sei o que dizer! É tudo muito delicado e romântico!
    Entrei no site e me apaixonei por esse chá. Só não sei se iria experimenta-lo, pois não aprecio os chás tanto quanto você, mas seria capaz de pedir um só pelo espetáculo que proporciona. Bjs!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *