O lado museu de uma praia

Imagem da praia, vista do alto de uma pedra. Vêem-se seis rochas de uns 15 m de altura em média. São rochas com várias camadas e "esculpidas" pela erosão. Pela areia, pessoas em fila passeiam.

Incomum e linda praia.

Mar, areia, verão. Praia. Um lugar para esticar a canga no chão, deitar e apreciar o entorno. Nadar um pouco, quem sabe?

Na Playa de Aguas Santas ou, como é mais conhecida, Playa de las Catedrales (Praia das Catedrais, em Galego), o panorama é bem diferente. Nada de biquínis ou sungas ou coisa que os valha, nem cangas ou toalhas, muito menos guarda-sol. Ninguém jogando com bola ou peteca e nenhuma criança brincando de fazer castelinhos de areia.

Pessoas e mais pessoas passeavam pela faixa arenosa da praia, completamente vestidos, andando em filas, como se seguissem um roteiro de caminho. Iam parando e admirando, uma a uma, as imensas rochas de aparência curiosa que naturalmente enfeitam o lugar. Como se estivessem em um museu. Situada no município de Ribadeo, Galícia, essa praia do noroeste da Espanha atrai turistas de todos os lugares.

Nas duas vezes em que estive lá, tive a sorte de coincidir com a maré baixa. Caso contrário, nada do que descrevi seria possível de se contemplar. As enormes pedras e as soturnas grutas estariam totalmente submersas pela água do mar.

Pessoas em fila descem por um caminho em uma rocha para acessar a areia da praia.

Maré baixa do mar e maré alta de visitantes.

É esse movimento de ir e vir do oceano, em conjunto com a ação do vento, que favorece a “escultura” das pedras. A erosão tem um papel fundamental na beleza das formas curiosas que se apresentam aos nossos olhos.

Outro tipo de intervenção, no entanto, tem deixado alertas as autoridades galegas. Com o aumento de visitas de turistas à praia, o aparecimento de riscos, desenhos e pichações tem sido frequentes. Para piorar, há também aqueles que, de maneira singela mas pouco consequente, querem levar um souvenir do local e retiram partes das rochas para levar para casa.

Acho que todos os tipos de patrimônio, quer sejam histórico, cultural ou natural, são memórias e ajudam a contar a história do mundo. No caso da Praia das Catedrais, se continuar assim, teremos registrada, além da História Natural, uma história de pessoas cheias de apego e egoísmo. A escolha é nossa.

Rocha em forma de arco, na praia.

Qual será a próxima forma que a natureza dará a essa rocha?

Se vocês quiserem conhecer essa fantástica praia, recomendo verificar a maré, para não perder a viagem. Pode-se fazer isto através deste site:

:: MeteoGalicia mareas e lúas

Gostou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *