O lado livraria de um restaurante.

Lupe no colo de Mamãe :-)

Com a companhia da cachorrinha Lupe para lá e para cá, o leque de opções olfativas dessa mascotinha aumentou consideravelmente. E nós, seus acompanhantes, também tivemos que farejar alternativas de lugares aonde ir para almoçar, por exemplo.

Um dos restaurantes mais legais que existem em Madri e que permitem a entrada de cachorros é o “El dinosaurio todavía estaba allí”. Já começa pelo nome, que eu achei o máximo. Procurando na internet, soube que faz referência a um micro conto do escritor guatemalteco Augusto Monterroso. Como trata-se de um micro conto, posso transcrevê-lo agora mesmo, sem problemas:

“El dinosaurio

Cuando despertó, el dinosaurio todavía estaba allí.”

FIM :-)

Ao chegar lá, percebe-se que o local é cheio de estilo. Estantes feitas com papel corrugado e repletas de livros encantam o ambiente. E, claro, alguns dinossauros também marcam presença.

Mas nome bonito e decoração estilosa não enchem barriga, né? E a comida é uma delícia!

Cada prato leva o nome de um livro e eu já experimentei alguns. Posso dizer que o “Detrás de la sonrisa (Ana galán)” é uma boa pedida. São croquetas, uns bolinhos feitos com bechamel. Normalmente são de jamón serrano, o que quer dizer que levam pedacinhos de jamón na massa. Mas no “El dinosaurio todavía estaba allí”, além dessas clássicas, há umas que são verdadeiras delícias, como as de boletus (um cogumelo) e as de queso azul (queijo gorgonzola ou roquefort).

De primeiro prato, posso dizer que “El libro de las historias fingidas (Pedro de Andrés)” está muito bem preparado e muito gostoso também. São grãos-de-bico com espinafre e cebola caramelizada.

E, de segundo prato, eu pedi “El chico de la chaqueta roja (Alena Collar), que é carne bovina na chapa com batatas e algas wakame. O corte é chamado de “entraña” e, pelo que li, não é muito conhecido no Brasil, mas é o preferido dos argentinos. Estava uma delícia também.

O restaurante, que também é uma livraria e um gostoso lugar que abriga eventos culturais, é gerido por uma mãe e um filho. Marisol atende ao público e é muito simpática e acolhedora. De verdade, um amor. E Darío é o chef de cozinha que prepara as delícias. E eles têm um mascote, o cachorrinho yorkshire chamado Blu, que é um anjinho.

Para fechar, vale pedir uma das sobremesas. O Vinalia Trippers, uma torta de maçã quente com sorvete de baunilha, vai deixar o dia muito mais feliz.

Para saber mais:

. website do “El dinosaurio todavía estaba allí”

. sobre o micro conto “El dinosaurio”

Blu, um dos donos do estabelecimento. :D

Veja também:

:: o lado PRÁTICO de VIAJAR COM CACHORRO EM AVIÃO :: (passo a passo de como viajar com cachorro)

Gostou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *