O meu lado fofoqueiro em Amsterdam

Foto de uma janela com o peitoril cheio de bonecos com caras de bebês. Também tem um recorte de fotografia de um homem em preto e branco.

Uma casa personalizada!

Foi a segunda vez que visitei Amsterdam. A primeira foi em abril de 2013 e eu não tinha percebido, então, uma característica fantástica da cidade. Como pode?! Claro. Entre canais, bicicletas serpenteantes e destemidas, bondes sisudos, simpáticas pessoas e lojas singulares, nem reparei nesse curioso detalhe.

Uma imagem bem simbólica da cidade são as casinhas estreitas, coladas umas nas outras, como que espremidas ao longo das margens dos canais. As janelas costumam ser bem altas e não é comum o uso de cortinas. Se você está em casa e não está acostumado com essa condição, frequentemente se assusta com uma ou outra pessoa que passa na rua. Porque também tem isso: não há quintais ou muros. As casas ficam rentes às calçadas, dando chance aos pedestres mais curiosos de olhar para dentro dos lares. Pelo menos era isso que a pedestre curiosa que vos escreve fazia. Afinal, para olhar para dentro das casas, não era necessário fazer muita coisa, bastava olhar para o lado.

Fotografia tirada de dentro do canal, à noite. Vê-se um pouco da água, com luminárias flutuantes. Na margem se vê uma casa com as luzes internas acesas e algumas silhuetas de pessoas.

Pessoinhas em suas casas sem cortinas.

Era bastante interessante, para mim, ver como eram as casas por dentro e as pessoas que nelas habitavam. Achei bastante aprazível ver que os interiores eram sempre bem arrumados e aparentemente limpos. Pelo menos daquelas casas as quais bisbilhotei enquanto passeava. Tive vontade de agradecer aos moradores pelas agradáveis visões que me proporcionaram. Adoro lugar organizado! Seria muito incômodo se todos esses apartamentos visíveis ao “público” estivessem uma bagunça. Iria acabar com a beleza da cidade, na minha opinião. E eu iria sair dali com uma percepção diferente de Amsterdam. Sou dessas que reparam.

Como era dezembro, era possível ver também árvores de Natal com luzes piscantes perto das janelas. Sim, perto das janelas. E, certamente, não era por acaso que elas estavam nesses pontos de visibilidade. Pelo que pude perceber, uma parte considerável dos moradores da cidade têm o firme propósito de planejar o aspecto do seu doce lar para quem está passando na rua.

Fotografia tirada do canal. Vê-se uma casa com as luzes acesas e uma árvore de Natal dentro.

Olha a arvorezinha ali, gente!

Como muitas das janelas têm uma espécie de peitoril, ou seja, uma bancadinha para dentro da casa, não raro se vêem objetos de decoração estrategicamente colocados ali. E costumam ser temáticos. Um deles estava repleto de estatuetas de gnomos e cogumelos. Em outro, o tema eram bonequinhos com cara de bebês caracterizados das mais variadas formas. Outro era enfeitado com silhuetas de casinhas típicas holandesas. Todos esses exemplos são de casas residenciais.

Algumas vezes, vi estabelecimentos fazerem isso também. Por exemplo, uma casa de chá e café cuja janela estava decorada com cafeteiras e bules. Mas isso já é mais aceitável, no sentido de previsível. O que me chamou mais a atenção foi o fato de pessoas fazerem isso nas suas próprias casas. E me deu vontade de fazer isso também!

Imagina. Uma janela decorada com cenários de Playmobil! Ou com souvenirs de viagens! Ou com dobraduras de papel! As possibilidades são realmente infinitas.

Uma fachada de um casa residencial onde se vê a porta e a janela decorados com bonecos.

Até a janelinha da porta ganhou um bonequinho nesta casa.

Fachada de uma residência onde se vê a porta e a janela decorada com estatuetas de gnomos e cogumelos.

Gostei dessa casa! Cheia de gnomos.

Janela de uma casa residencial, decorada com estatuetas de gnomos e cogumelos.

Será que o dono da casa troca a “exposição” ou é permanente?

Janela de uma casa, desta vez um estabelecimento comercial, onde estão vários computadores antigos, como forma de decoração.

Esta janela não é de uma casa residencial, mas sim de uma agência. Resolveram fazer uma exposição de computadores antigos.

Leiam também:

:: o lado MONARCA de AMSTERDAM ::

:: o lado FLORIDO da HOLANDA ::

Gostou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *