O lado crocodiliano de Kom Ombo

Ruínas do Templo de Kom Ombo e alguns turistas em um final de tarde ensolarado.

Ruínas do Templo e bastantes turistas em comparação a outros lugares do Egito.

Uma das coisas que eu previa ver no Egito eram múmias. Natural, não? Desde criança estamos acostumados a associar o Antigo Egito a esse modo de eternizar-se dos faraós. Porém, algo que me surpreendeu bastante foram as múmias de crocodilos que vi no museu do sítio arqueológico de Kom Ombo.

Kom Ombo é uma cidade que se situa às margens do Nilo e foi uma das paradas do cruzeiro que fiz por esse rio. É lá onde está o Templo de Kom Ombo, construído há 2000 anos e que tem a peculiaridade de ter sido idealizado para a reverência a dois deuses: Horus, o deus falcão e Sobek, o deus crocodilo.

Coluna com hieróglifos. Mais próximo ao topo as cores estão conservadas.

Olhem as cores!

Muito me impressionou também o estado de conservação das ruínas do templo. Apesar de bastante deteriorado, os hieróglifos estavam muito bem desenhados para a idade que têm e algumas colunas decoradas mantinham, inclusive, as cores com seus pigmentos dando alegremente o ar de suas graças.

O guia explicou que a boa preservação das cores aplicadas próximo aos topos das colunas se devia ao fato de que ali, naquela elevada altura, a areia não havia chegado. Sim, pois houve um tempo em que toda a região esteve coberta com areia. Isso aconteceu em muitos lugares do Egito, fazendo desaparecer temporariamente importantes templos. Um deles foi o de Abu Simbel, que tem uma história incrível de recuperação e eu já contei aqui.

Além da areia, a presença recorrente da água também castigou a edificação. As cheias do Nilo contribuíram bastante para o desgaste do templo. Aliás, vocês já ouviram falar em nilômetro? Eu nunca tinha ouvido, até chegar lá e ver um. É uma espécie de poço através do qual se podia deduzir a intensidade da inundação. Dentro dele havia uma escada que chegava até o nível do lençol freático. Assim, era possível fazer medições da altura que a cheia do rio alcançava. De relevância econômica, ajudava a determinar os impostos aplicados, já que a variação do volume do Nilo afetava necessariamente a agricultura, por exemplo.

Eu na frente do nilômetro. Ao fundo se vê o templo.

Eis o nilômetro de Kom Ombo! Ao fundo, o templo.

Mas eu comecei o texto mencionando as múmias de crocodilos. E aí?

Bom, nas imediações do Templo, há um museu e seu nome não poderia ser outro. Ou melhor, poderia. Faltou criatividade ali. É o Museu do Crocodilo!

Ocorre que, naquela região, havia grande concentração desses animais. Nosso guia nos contou que os antigos egípcios criavam seus deuses à imagem e semelhança daquilo que eles tinham medo. No caso daquela área, o que eles mais temiam eram os crocodilos. Totalmente compreensível. E é por isso que Sobek é o deus daquelas redondezas.

Dentro do museu, algumas múmias de crocodilos.

Crocodilos mumificados.

Mas múmia de crocodilo? Os faraós eram mumificados por livre e espontânea vontade (depois de morrer, claro, mas, ainda assim, por desejo próprio) com o objetivo de manterem seus corpinhos por toda a eternidade. Mas e esses pobres animais?

Pois então. Os crocodilos mumificados tinham a função de serem oferendas a Sobek. Gente, prefiro farofa. O que Sobek iria fazer com um monte de múmias de crocodilos? Mas, enfim… O pessoal achava que era um grande presente oferecer esses animaizinhos ao deus.

Crocodilos feitos de tecido.

Bonequinhos de crocodilo. Curioso, não?

Não faz muito tempo, realizou-se uma pesquisa sobre essa prática. As múmias foram analisadas e verificou-se que muitas delas não tinham um crocodilo dentro, apresentando apenas partes dele ou mesmo ovos e outros objetos que têm relação com o animal.

Ainda não se chegou a nenhuma conclusão, mas acredita-se que, em decorrência da grande demanda por esses répteis, as pessoas passaram a fazer essas múmias alternativas, por assim dizer. Caso contrário, a população de crocodilos iria diminuir vertiginosamente. Deve ter acontecido isso, na verdade.

Ainda bem que alguém teve essa ideia de burlar a produção de múmias de crocodilos. Pelo amor de Sobek!

Hieróglifos em uma parede.

Maravilhosos hieróglifos.

O templo e suas colunas que remetem a uma flor.

Uma ruína bem conservada. Base, fuste, capitel, teto. Está tudo ali!

Eu em frente ao Sonesta Moon Goddess, o navio do cruzeiro.

Com o Sonesta ao fundo, o navio com o qual fiz o cruzeiro pelo Nilo.

:: :: :: :: :: :: :: :: :: :: ::

Mais sobre as múmias de animais:

. Cientistas britânicos desvendam mistério das múmias vazias

Leiam também:

:: o lado MOVIMENTADO de ABU SIMBEL ::

:: o lado TRANSFORMISTA de HATSHEPSUT ::

Gostou?

8 ideias sobre “o lado CROCODILIANO de KOM OMBO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *