O lado pop de um sorvete

Em close, o sorvete, de cor branca, e no meio de dois biscoitos, tipo um sanduíche. Vê-se a minha mão segurando o sorvete. Ao fundo está a loja.

6°C: temperatura ambiente ideal para tomar sorvete sem pânico.

Enquanto passeava por uma das ruas mais movimentadas e comerciais de Amsterdam, a Nieuwendijk, vi duas senhorinhas alegres freneticamente tomando um sorvete branco servido em casquinhas. “Nossa! Muita vontade mesmo de tomar sorvete neste frio! Nunca viram sorvete na vida ou o quê?”, pensei. Bastou dar alguns passos mais adiante para um dos meus amigos anfitriões dizer “Aqui se vende um sorvete que é típico. Se quiser experimentar, está ali”, apontando para uma simpática e bem cuidada lojinha.

Como eu não sou de recusar comida, principalmente quando estou viajando, rapidamente escolhi o sorvete que eu queria, entre as opções. Aliás, “principalmente quando estou viajando” é ótimo! Já faz um tempo que eu me considero “viajando”. Portanto, se me virem, não me ofereçam comida, por favor, em nenhum ponto do planeta.

Fachada da Loja, pintada de branco e lilás. Tem um cartaz com ilustrações do sorvete e um esquema com as variações e os preços. O letreiro é com letra estilo manuscrita. Vê-se um senhor com um sorvete na mão, na porta.

Gracinha de loja.

Eu disse que escolhi a opção de sorvete que eu queria. Na verdade, o sabor é sempre o mesmo, uma espécie de nata, de chantilly. O que varia é o suporte: casquinha, copinho ou duas lâminas de biscoito pressionando o recheio de sorvete. O sucesso está na consistência firme do creme, que, ao mesmo tempo, tem uma textura bem fina e suave. Devo dizer que o clima ajuda.

Naquela tarde em que eu o saboreei, a temperatura era de 6ºC. O bichinho se manteve durinho até a penúltima bocada! Na última, não sei por quê, houve um leve processo de derretimento. Talvez pela quantidade, que já era pouca. Mas, vejam só, a consistência desse creme gelado é admirável! Agora fiquei curiosa para saber qual é o seu comportamento em condições alteradas de temperatura. E, óbvio, para isso, terei que voltar lá na primavera! Fazer o quê, né? Tudo em nome da ciência.

O nome da loja é Van der Linde. Está sempre cheia e o precinho é camarada.  Esta é a fanpage no facebook.

A post shared by Luana Priuli (@luanapriuli) on

Minha amiga Luana e eu, saboreando esse gostoso sorvete, em duas versões.

Leiam também:

:: o MEU lado FOFOQUEIRO em Amsterdam ::

:: o lado SURPREENDENTE de um PEIXE CRU ::

:: o lado MONARCA de AMSTERDAM ::

:: o lado FLORIDO da HOLANDA ::

Gostou?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *